Minas por Região
Saúde

20h27min - 07 de Janeiro de 2010 Atualizado em 16h16min - 29 de Junho de 2013

Saúde apresenta balanço de 2009 sobre a Influenza A (H1N1)

BELO HORIZONTE (07/01/10) - Em 2009, vários municípios mineiros enfrentaram desafios no que diz respeito à saúde pública. Um deles foi a Influenza A (H1N1). O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), se mobilizou para combater o vírus, que rapidamente se espalhou pelo mundo, provocando a morte de milhares de pessoas.

Minas adotou rapidamente ações que seguiram três eixos - vigilância, assistência e comunicação.  Foi criado o Comitê Técnico do Plano Estadual de Contingência da Influenza A (H1N1), envolvendo entidades médicas públicas e privadas, permitindo que as ações do Comitê fossem postas em prática quase ao mesmo tempo em que eram decididas.

De acordo com o subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Felipe Caram, três pontos positivos foram importantes para o controle. “O primeiro foi a rápida resposta do Governo diante da pandemia, decretando emergência dias depois do primeiro registro. Outro foi a concentração do comando no Comitê, o que deu agilidade às ações. A parceria entre o Estado e a rede privada de saúde, principalmente no repasse de informações sobre os pacientes, também foi essencial”, destacou.

As iniciativas mais contundentes foram direcionadas para a vigilância, sobretudo nos pontos de entrada de pessoas no Estado. Para isso, a Secretaria de Estado de Saúde, em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), passou a realizar uma espécie de bloqueio nos aeroportos mineiros com o objetivo de monitorar a chegada de pessoas vindas das áreas de risco. Além disso, um serviço de call center foi criado para monitorar a entrada de passageiros e esclarecer dúvidas sobre os sintomas e a doença. Entre maio e outubro, o serviço efetuou, aproximadamente, 3,1 mil ligações.

Para os profissionais de saúde, a SES criou o Protocolo Estadual de Vigilância e Assistência que orientou os profissionais sobre a doença, as formas de atendimento, manejo clínico e notificação dos casos e como as prefeituras deveriam agir acerca do vírus.

Na área da comunicação, cartazes e folhetos esclareceram a população sobre a doença, principais sintomas e cuidados, além de campanhas informativas em grandes eventos, como jogos no Mineirão e exposições nas cidades do interior.  A televisão também foi utilizada. O veículo que mais se empenhou neste trabalho foi o Canal Minas Saúde da SES. Minas é o único Estado que usufrui de uma rede de TV voltada exclusivamente para a saúde. Durante toda a crise, a programação do canal se dedicou a esclarecimentos sobre a nova gripe. As transmissões do canal ocorrem diariamente, de 8 às 17h, via satélite para 3,8 mil pontos espalhados em todas as regiões mineiras. “Não há dúvidas que isso foi um diferencial”, opina o médico Rubensmithi Riani, coordenador do Canal Minas Saúde de Rádio e TV. “O Governo de Minas soube usar uma estrutura de comunicação que não existe em outros estados”.

O Estado também investiu cerca de R$ 5,5 milhões em aquisição de equipamentos, melhorias de hospitais e de Unidades Básicas de Saúde (UBS), compra de insumos médicos e remédios. O Comitê atribuiu ao Hospital Eduardo de Menezes e ao Hospital das Clínicas, ambos em Belo Horizonte, a condição de referência estadual.

Mais do que melhorias nos hospitais, o Comitê entendeu que uma boa assistência à população passava pela correta distribuição dos medicamentos. Minas Gerais recebeu do Ministério da Saúde, 129 mil tratamentos de Oseltamivir. A Fundação Ezequiel Dias (Funed) produziu outros 13,6 mil. Coube a SES levá-los a todas as regiões do Estado, descentralizando o medicamento para as 28 Gerências Regionais de Saúde.

Balanço

Até dezembro de 2009, foram notificados 9.165 casos suspeitos de síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave em todo o Estado. Destes, 1.405 casos foram confirmados para influenza A (H1N1), sendo 766 femininos e 639 masculinos. Segundo a faixa etária, a maior proporção dos casos está entre 20 a 39 anos, o que representou 41,3% e 40 a 59 anos, 17,9%. A distribuição dos casos confirmados da doença mostram, segundo informe epidemiológico da Superintendência de Epidemiologia, que 68 microrregiões do Estado apresentaram casos confirmados, com uma concentração na microrregião Belo Horizonte/Nova Lima/Caeté com 496 casos confirmados.

Desde a primeira notificação, em maio de 2009, Minas confirmou 145 óbitos em decorrência da doença. Destes, 79 são femininos e 66 masculinos.

Prevenção no verão

O frio foi embora e a temperatura aumentou com a chegada do verão, mas isso não quer dizer que o vírus H1N1 deixe de circular em dias mais quentes. A queda na transmissão da doença está relacionada ao fato de que nesta estação do ano, as pessoas tendem a ficar menos em espaços aglomerados do que no inverno.

Segundo Caram, a prevenção e cuidados básicos nesta época do ano também são importantes. “A propagação da doença pode ser evitada com medidas simples de higiene, como lavar frequentemente as mãos com água e sabão; cuidado ao espirrar, cobrindo a boca e as narinas com um lenço ou levar o antebraço ao rosto, entre outras”, reforçou.

“De modo geral, os resultados de nosso trabalho em 2009 foram satisfatórios. Agora, precisamos analisar onde erramos e nos preparar para uma possível volta da crise agora em 2010. A vigilância permanece”, finalizou o subsecretário.

Vacinas

Este ano, os estados brasileiros irão vacinar contra a Influenza A (H1N1). Informações divulgadas pelo Ministério da Saúde (MS) garantem a aquisição de 83 milhões de doses para sua estratégia de vacinação contra a gripe pandêmica, a ser realizada entre março e abril de 2010.

Os laboratórios, serão três fornecedores, enviarão as doses ao Ministério de maneira escalonada, entre janeiro e março. O investimento total do Ministério da Saúde, responsável também pela distribuição das vacinas aos estados, é de R$ 1,006 bilhão.

Até o início de fevereiro, o MS deverá anunciar, em detalhes, a estratégia nacional de vacinação contra a gripe pandêmica para o país.

SEGOV - Secretaria de Estado de Governo de Minas Gerais

Desenvolvido por marcosloureiro.com

Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves

Rodovia Prefeito Américo Gianetti, 4001
Edifício Gerais, 1º andar
Bairro Serra Verde - BH / MG
CEP: 31630-901
Tel.: +55 31 3915-0262

Telefones de Contato